sexta-feira, outubro 24, 2008

Novamente a musica; Desta vez o Fado

Esta forma estranha de vida acompanhou-me ao longo de alguns anos, desde puto.
O Fado relembra-me muitos espisodios, ou seja, quando oiço(ou ouço?) fado é para recordar os momentos vividos, e, não essencialmente porque gosto de fado, gosto de música e dependendo do meu estado de apetite, tanto ouço um tipo como outro, pronto.
Antes de relatar esses episodios, um homem para mim de eleição é concerteza o Carlos do Carmo.
Quando ouço fado faz.me lembrar:
Tertúlias lá em casa com o Carlos Fernando na viola e alguns jogadores após o jogo ter terminado, vinho de castelo de paiva e a minha mãe a zangar-se por já terem ultrapassado as horas de eu me ir deitar.
O meu Tio Eduardo a cantar o Touro em Salvaterra, toda a gente bem bebidos e berrarem com a frase do “...saia umas papas para a mesa do canto s.f.f....” diziam s.f.f. no inicio porque depois já nem isso...;)
Lisboa, na Parede, a minha Avó adoptiva (sim eu tenho uma Avó adoptiva, nem é paterna nem materna é Bi :) (vá la não sejam preversos), hoje a viver na casa do artista) quando falava no Carlos do Carmo, na vivência que teve junto ao mundo do espectaculo; No Bairro alto a luz das velas apreciei um rapazinho baixinho ainda sem luz da rivalta, Camané, este particularmente gosto do ...sei de um rio...
A casa do Fado frente ao Tribunal s.joão novo que oferecia o jantar aos motoristas que levassem clientes; Neste tenho um espisodio engraçado, de tantas vezes lá ter ido , era eu Taxista da invicta (mais uma profissão) quando não havia clientes, arranjava-se outro taxista a fazer de cliente. Passados uns tempos, já eu pensava que era conhecido e bemvindo, ao passar pelo proprietario perguntei se estava tudo bem, a resposta: sim esta, mas aqui existe muita parra e pouca uva...ehehehe, nunca mais lá fui de tão envergonhado fiquei. Mas eu gostava daquele ambiente, e, do jantar ;)
Dulce Pontes e Mariza, a primeira pelas musicas que escutei no meio do Mar e nas entradas da barra do Porto, a segunda pelas longas viagens ao volante com saudades da gente da minha terra
Alfredo Marceneiro, Herminia silva.....Neca Rafael...
As musicas, Fados e não só, que me comovem, e/ou, que ouço quando tenho saudades de ti
O Xaile da minha mãe – Chorona da Tonicha – Concerto aranjuez de rodrigo- Cavalaria Rusticana de mascagni – Cancione del oviedo – la lienda del beso – o Silencio e a Tanhauser em Trumpete quando exclusivamente tocavas para mim. Tu tinhas razão quando me dizias, Quando eu faltar tu vais te lembrar muito de mim

Já agora, outro dia ouvi uma voz que me arrepiou, esteve recentemente no museu do Fado em Lisboa, com 22 anos, canta regularmente na Mesa de Frades e já tinha escutado o Carlos do Carmo a falar nela, Carmo Rebelo de Andrade, uma voz que fará parar o ser humano mais distraido, aprecia.
Bem, estou em santander, frente ao sitio da descarga, almocei mal e jantei pior (dois ovos estrelados fizeram o recheio das duas sand(ocas), raio de chuva. Boa noite para ti que tens paxorra para me aturar.

5 comentários:

t3resopolis disse...

Esta estória de fado para mim é muito complicado.. é como as favas em miuda, só o cheiro me fazia por a milhas, agora ..até meto a cabeça no tacho..ai ai
comecei a entende-lo faz pouco tempo, estou a aprender.
Quem se arrepiou a ler.te fui eu, o meu chapéu já o tenho na mão direita, há pessoas realmente "incomparáveis"
linda homenagem.
Todos recordamos uma avó de sorriso lindo..

Bem hajas pela coragem
Segue... aposto em tu muito, deixa a caneta dançar em cima dessas letras. 4 ever..

abraço d'agorda

Kátia disse...

Doces e lindas recordações.Adoro essa canção dos Queen.Alías eu adoro Queen.

Você é lindo pra mim.

Beijo e cheiro no pescoço.Lol

Janeca disse...

Ela já disse tudo...
com a diferença que eu nunca conheci nenhuma avó... agora sei porquê... tu tiveste mais que as outras pessoas! ... :)

Boa viagem e quando passares aqui... apita

Anónimo disse...

Estiveste em Santander e não avisas ninguém?
Rica peça me saíste...pelo menos sabes transmitir as tuas ideias, pela escrita, como ninguém, obrigado!
Abraço.

Fifth.

AnA disse...

O senhor este em Santander e nao disse nada??? Adoro a forma como escreve, continue! Um beijo desde Santander!